Notícias

Deputado acredita que se Bolsonaro for reeleito não entregará o poder nunca mais – VEJA VÍDEO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Profundo conhecedor dos bastidores da vida e da família do presidente Jair Bolsonaro desde que começou, dois anos antes, o movimento para lançamento de sua candidatura à Presidência da República, o deputado Julian Lemos fez uma declaração, ao final do programa Correio Debate (98.3 FM), na sexta-feira, já fora do ar, que merece ser reverberada e de todas as atenções possíveis. 

Provocado por Lázaro Farias se ele acreditava que, em perdendo a eleição, Bolsonaro criaria problemas para entregar o cargo como fez Donald Trump nos Estados Unidos, Julian fez a seguinte declaração: “Se perder, vai criar problemas, mas, se ganhar, nunca mais vai entregar o poder”. 

O parlamentar explicou que não saberia dizer o que Bolsonaro faria para “não entregar mais o poder”, se reeleito. Sondou Putin, na Rússia, que aprovou no Parlamento possibilidades sem limites de reeleição, mas também não descartou, inclusive, o uso de força. 

É preciso lembrar que Julian Lemos acompanhou Bolsonaro durante mais de dois anos em viagens pelo país inteiro, do Acre ao Rio Grande do Sul. Na Paraíba, Bolsonaro dormia na cama da filha do então amigo. Existem inúmeros registros da estreita amizade e manifestações recíprocas de confiança.  

Pode-se alegar que o parlamentar estaria motivado por ressentimentos. Talvez diga-se que faltam argumentos mais sólidos para justificar a afirmativa. Cabe ainda a alegação de que faltariam condições políticas concretas para amparar supostos sonhos autoritários de Bolsonaro. Lógico que o debate vai ficar no campo das hipóteses, mas não existem razões para duvidar que Julian Lemos é um pouco conhecedor da alma bolsonarista.

E essa alma, de acordo com o ex-amigo íntimo, é um tanto instável, perturbada e autoritária. Pior é que tem se juntado a um bando de outras almas sedentas de poder absoluto. Tudo vagando animadas pelo Palácio do Planalto. 

A narrativa é de deixar em pé o cabelo do mais reles democrata.