Notícias

Ministro da Saúde Marcelo Queiroga e o governador do Maranhão trocam farpas nas redes sociais – VEJA VÍDEO

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em meio à insegurança da população em relação à chegada da variante indiana do coronavírus no país, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, protagonizaram uma troca de farpas no Twitter, na noite deste sábado (23).

Eles estão em campo político-ideológicos opostos: Dino é da esquerda e Queiroga faz a linha de frente do governo Bolsonaro.

A discussão no Twitter começou quando o Flávio Dino postou uma reclamação a respeito da ausência do Maranhão no debate sobre as ações que vão ser implementadas para evitar um possível avanço da variante indiana no estado dele.

“Incrível essa entrevista coletiva do ministro da Saúde. Ele diz que debateu sobre o Maranhão com os secretários municipais de Saúde de São Paulo e do Rio. E com o prefeito de Guarulhos. Menos com o governo do Maranhão. É impossível até entender o que eles farão”, disse o governador.

Queiroga rebateu

O paraibano Marcelo Queiroga respondeu afirmando que procurou pelo secretário de Saúde do estado nordestino, mas que ele havia sido impedido pelo chefe do Executivo local de participar do debate com o governo federal.

“Estranho, Vossa Excelência. Ao contrário do que afirma, conversei com o secretário Carlos Lula, por telefone, e o convidei para a coletiva. No entanto, ele informou que o senhor não autorizou a participação dele. Este deve ser um momento de união. Nosso único inimigo é o vírus!”, afirmou o ministro.

Réplica maranhense

Flávio Dino respondeu mais uma vez, também pelo Twitter, afirmando que o secretário não foi ouvido. “E claro que ele não se dispôs a ser enfeite em coletiva. Estamos sempre à disposição para diálogos sérios. E espero que o presidente da República ouça suas recomendações, passe a usar máscaras e evitar aglomerações.”

O secretário de Saúde, Carlos Lula, também rebateu as declarações do ministro. “Ministro, o ideal é construirmos essas decisões entre o Ministério e os estados em conjunto. Não posso participar de uma coletiva recebendo uma ligação minutos antes dela iniciar. Mas continuamos à disposição para tomarmos as decisões necessárias para o momento que vivemos”, postou.

O recado, pelo menos, gerou um efeito positivo. Carlos Lula participou na manhã deste domingo (23) de reunião com a esquipe do Ministério da Saúde para tratar do assunto.

Multaram Bolsonaro

Para além das arestas políticas, o governo do Maranhão tem um novo embate para travar com o governo Bolsonaro. É que o secretário de Saúde, Carlos Lula, multou o presidente por não utilizar máscara e provocar aglomeração, em evento no município de Açailândia, na última quinta-feira (21).

Bolsonaro foi autuado e irá responder processo administrativo sanitário. Terá 15 dias para se defender e, após isso, haverá decisão da Vigilância estadual do Maranhão. O valor da multa por infração sanitária será definido após a apresentação da defesa. Difícil vai ser conseguir notificar pessoalmente o presidente.

Veja vídeo: