Notícias

Ex-prefeita de Joca Claudino é absolvida em Ação interposta pelo Ministério Público da Paraíba

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Lucrécia Adriana foi absolvida em ação que cobrava pagamentos de despesas não comprovadas em obras de esgotamento sanitário e gastos excessivos em reformas de escolas municipais e na recuperação de estradas vicinais, durante o ano de 2010 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA PARAÍBA propôs AÇÃO CIVIL PÚBLICA POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA contra LUCRÉCIA ADRIANA DE ANDRADE BARBOSA, alegando, em resumo, que a ré, na condição de prefeita do município de Joca Claudino, efetuou pagamentos de despesas não comprovadas em obras de esgotamento sanitário no Distrito de Santa Rita e gastos excessivos em reformas de escolas municipais e na recuperação de estradas vicinais, durante o ano de 2010, que foi apurado em processo do Tribunal de Contas do Estado, resultando em prejuízo no valor de R$ 38.326,81, (trinta e oito mil trezentos e vinte e seis reais e oitenta e um centavos) aos cofres municipais. Por isso, requereu a concessão de liminar para o bloqueio de bens do demandado e, por fim, pediu a condenação da ré nas sanções por ato de improbidade administrativa, em especial, ressarcimento integral dos danos, perda da função pública, suspensão de direitos políticos e proibição de contratar com o poder público, além do pagamento de multa civil. Diante de toda narrativa e provas juntadas aos autos do Processo, o Magistrado NATAN FIGUEREDO OLIVEIRA, da 5ª Vara Mista de Sousa, julgou improcedente o pedido do MP-PB, com os seguintes argumentos; De acordo com o relatório da Corte de Contas, “as obras de esgotamento sanitário no Distrito de Santa Rita não foram apresentadas na inspeção realizada, de modo a caracterizar despesas não comprovadas. E que as obras inspecionadas nas escolas José Anacleto de Andrade (Fazenda Nova) e José Duarte Coutinho (Sítio Cassiano) possuíam apenas indícios de pintura e na escola José Roberto da Silva (Sítio Saco da Sinhazinha) apenas indícios de coberta. Portanto, quanto a tais despesas reputadas não realizadas não há provas de que a ré tenha atuado em prejuízo ao erário. Tanto porque a constatação do Tribunal de Contas se deu por falta de provas da execução da obra no dia da inspeção, quanto porque os elementos constantes dos autos como a contratação de empresa com a finalidade de executar obra e os depoimentos das testemunhas indicam que a obra teria sido executada. Em relação à ausência de execução de serviços ou execução completa dos serviços nas escolas José Anacleto de Andrade e José Duarte Coutinho, que possuíam apenas indícios de pintura, e na escola José Roberto da Silva com apenas indícios de coberta, observa-se que a testemunha José Andrade Costa afirmou ter conhecimento de que houve pintura nas escolas e a testemunha Expedito Cesário de Freitas Filho disse que as escolas são construções antigas, com técnicas não mais utilizadas hoje com alvenaria de tijolo maciço e que sofrerem um desgaste mais rápido, tendo, ainda, sido apresentados documentos atestando a execução das obras. Por fim, quanto à diferença entre os valores pagos e os valores constantes da tabela do DER/PB em relação às obras de recuperação de 50km de estradas vicinais, não houve comprovação de que o Município de Joca Claudino estivesse obrigado a orçar os custos da obra com base nos preços de referência do DER/PB.

Vídeo: