Notícias

Guerra fria é travada por Ministros de Bolsonaro em disputa para o Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os ministros Fábio Faria (Comunicações) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), ambos do Rio Grande do Norte, têm planos de concorrer à única cadeira para o Senado que estará em disputa no estado no próximo ano.
Com o apoio de Bolsonaro, ambos tentam organizar o campo de oposição à governadora Fátima Bezerra (PT). Mas cada um corre na sua própria raia no xadrez político local.

Rogério Marinho (sem partido) deu um passo à frente ao fazer uma composição com o deputado federal Benes Leocádio (Republicanos).
A articulação prevê a candidatura de Leocádio ao Governo do RN em oposição a Fátima Bezerra. Prefeito da cidade de Lages (128 km de Natal) por cinco mandatos, ele foi o deputado federal mais votado do estado em 2018. Na Câmara, faz parte da base de apoio ao presidente.

A candidatura foi arquitetada junto a líderes oposicionistas do Rio Grande do Norte, incluindo o ministro Rogério Marinho, principal cotado para ser o candidato ao Senado da chapa liderada por Leocádio.

O movimento isolou Fábio Faria (PSD). Ele tem dito que já concluiu o seu ciclo na Câmara dos Deputados e que pretende ser candidato a senador.

A vaga ao Senado que estará em disputa em 2022 é a que foi conquistada em 2014 pela própria Fátima Bezerra. Na época, ela foi eleita numa aliança com Robinson Faria (PSD), pai de Fábio Faria, que acabou sendo eleito governador naquela eleição com o apoio do PT e da então presidente Dilma Rousseff.

Fátima e Robinson romperam em 2015. Três anos depois, em 2018, a senadora se lançou candidata ao governo contra Robinson e saiu vitoriosa nas urnas. Em seu lugar, assumiu a vaga no Senado o seu suplente Jean Paul Prates (PT).