A sua fonte segura de informação!

Notícias

Ciro Nogueira defende união entre PP e PL para reeleição de Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em meio ao acirramento da disputa entre PP e PL para atrair o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, contemporizou ontem e defendeu que, independentemente da decisão do chefe do Executivo, a chapa à reeleição seja integrada pelos dois partidos. Em entrevista ao programa “Em Foco com Andréia Sadi”, da GloboNews, Nogueira, presidente licenciado do PP, disse que “torce” para que a legenda seja a escolhida, mas evitou entrar em choque com Valdemar Costa Neto, também líder do Centrão e comandante do PL.
Sem filiação partidária há quase dois anos, Bolsonaro vem fazendo acenos para as duas legendas. A aliados, sinalizou que a definição deverá ocorrer em 15 dias. A favor do PP, pesa o fato de ser uma sigla que já conhece, por tê-la integrado por mais de dez anos; já em relação ao PL, a vantagem é uma unidade partidária maior, por Costa Neto ter um controle mais assertivo nos estados. Ontem, Bolsonaro afirmou que a escolha está entre as duas siglas.

Na busca por uma sigla sobre a qual pudesse ter controle total, o presidente também chegou a flertar com o PTB, de Roberto Jefferson, e com o Patriota, partido ao qual Flávio Bolsonaro se filiou neste ano. Mas as movimentações para receber Bolsonaro no Patriota provocaram um racha que levou à destituição definitiva de Adilson Barroso da presidência, por estar negociando “individualmente” a filiação do presidente. O projeto de criar um partido do zero, o Aliança pelo Brasil, naufragou.

Nogueira também minimizou os atritos entre a ala política e a equipe econômica — na semana passada, o ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou que integrantes do governo fizeram “pescaria” em busca de um nome que pudesse substituí-lo. À “GloboNews”, o chefe da Casa Civil afirmou que o governo é “Paulo Guedes é mais dez”.

A crise desencadeada na Economia se intensificou após a debandada de secretários ligados à área orçamentária, na esteira do anúncio de que o governo criará em novembro o Auxílio Brasil no valor de R$ 400 para substituir o Bolsa Família. Para cumprir a decisão do presidente Jair Bolsonaro, o governo terá de desembolsar ao menos R$ 30 bilhões fora do teto de gastos, regra que limita a elevação de despesas da União.

Inicialmente a equipe econômica era contra qualquer ação que afetasse o teto, já que segundo especialistas, a manobra deve desorganizar as finanças públicas, gerar efeitos na inflação, no dólar, nos juros e no emprego, afetando a vida cotidiana dos brasileiros. Questionado se o programa — que tem previsão de término em dezembro de 2022, dois meses depois da eleição — não se trata de uma medida eleitoreira, Ciro Nogueira negou a tese e defendeu o Auxílio Brasil, mas não explicou qual o plano do governo para resguardar a população em 2023.