A sua fonte segura de informação!

Notícias

Ucrânia já admite pela primeira vez não se juntar à OTAN

O embaixador da Ucrânia na Grã-Bretanha, Vadym Prystaiko, disse que Kiev “pode concordar” em não se juntar à OTAN se isso ajudar a evitar uma guerra

O embaixador da Ucrânia na Grã-Bretanha, Vadym Prystaiko, anunciou nesta segunda-feira (14) que Kiev “pode concordar” em não se juntar à OTAN se isso ajudar a evitar uma “guerra” com a Rússia.

“Nós podemos, especialmente sendo ameaçados dessa forma, chantageados e pressionados a isso”, afirmou Prystaiko sobre a possível mudança de posição quanto à adesão à aliança.

O embaixador disse à BBC Ucrânia, citado pela Reuters, que estava disposto a ser “flexível” sobre o objetivo de seu país se juntar à aliança atlântica.

O enviado declarou que a Rússia já faz fronteira com países-membros da OTAN, afirmando que isso “não mudou a situação de segurança” para Moscou.

A questão sobre a adesão da Ucrânia à OTAN segue sendo um obstáculo entre a Rússia e a aliança. Moscou apresentou recentemente propostas de garantia de segurança à OTAN e aos EUA, sugerindo limites para o envio de tropas e equipamentos militares, além de sugerir que o bloco deixe de se expandir próximo das fronteiras russas.

No entanto, Washington ignorou estas propostas, enquanto a OTAN se recusou a abandonar suas políticas de “portas abertas”, afirmando que a Ucrânia e a Geórgia podem fazer parte da aliança.

A declaração surge mesmo após Kiev ter alterado a Constituição ucraniana em 2019, onde definiu a adesão à OTAN e à UE como objetivos da nação.